Flamengo pretende pagar até R$ 100 milhões por terreno de estádio

12/09/2017
Provável terreno que receberá o estádio do Flamengo – Foto: @notavel / Reprodução

GLOBO ESPORTE: O Flamengo anunciou na última quarta-feira que tem acordo de opção de compra de terreno na Avenida Brasil, na altura de Manguinhos. A área pertence ao Grupo Peixoto de Castro, companhia fundada em 1929 e que pediu recuperação judicial em 2013 para vender bens e pagar credores.

Em comunicado (“Fatos relevantes”) publicado no site da empresa nessa segunda-feira, a GPC Participações S.A. “informa ao mercado e acionistas” que celebrou acordo para vender suas áreas, a “depender da satisfação de algumas condições precedentes estabelecidas nos acordos firmados”.
As condições são o objeto de estudo da diretoria do Flamengo, que tem prazo de 120 dias para confirmar a compra. No período, os diversos agentes envolvidos no processo estudam o terreno e série de outras questões, como as ambientais. O largo espaço fica ao lado da Refinaria de Manguinhos e sediava a GPC Química, que produzia resinas termofixas e metanol e foi desativada em 2013 no início da decadência econômica do grupo empresarial.
Em reunião nesta terça-feira com boa parte dos envolvidos na questão, o Flamengo começava a tratar do tema. O Flamengo ainda não comenta o assunto. Até o fechamento desta reportagem o Grupo Peixoto de Castro não retornou os contatos da reportagem do GloboEsporte.com.
O terreno da Avenida Brasil foi colocado a leilão no dia 31 de maio deste ano, com preço avaliado em R$ 157 milhões. Não houve interessados e sequer há previsão de outro leilão. Quem acompanhou o negócio de perto comentou que dificilmente um lance alcançaria valores desta ordem. O Flamengo quer pagar bem menos para adquirir a área para construção do estádio – há estimativas de R$ 80 milhões a R$ 100 milhões pela compra do terreno.
No edital do leilão, estava definido que caso não houvesse comercialização do terreno poderia haver outra rodada para procurar interessados. Ainda de acordo com o edital, se houvesse lance inferior ao estipulado (ou seja, menos que os R$ 157 milhões), a “arrematação ficará condicionada à homologação judicial, após a oitiva dos interessados, que deverá ocorrer dentro do prazo de até 90 (noventa) dias do leilão. Transcorrido o mencionado prazo sem definição quanto a aceitação da proposta, será lícito ao lançador desistir da proposta e levantar o valor depositado em conta judicial.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *