Fla visa mesclar base com reforços externos.


O Flamengo ainda quer contratar e não fechou os olhos para o mercado. Entretanto, o clube carioca tem a ideia de investir somente em jogadores que venham para ser titulares, “nível mais alto”, como é tratado o assunto na Gávea. Depois da negativa do Bordeaux-FRA, para liberar Pablo, o Fla estuda nomes no mercado externo, principalmente na Europa, fechando os olhos para reforços no Brasil. Caso não se concretize nenhuma negociação por jogadores de alto nível, a ideia é apostar no elenco que tem e na categoria de base.


Os valores pedidos pelos clubes, em especial os da Europa, estão dificultando o desfecho das negociações. É consentimento da diretoria, em diversas reuniões, a dificuldade encontrada para contratar. No entanto, os diretores se inspiram no próprio planejamento traçado pelo Fla ao contratar Rhodolfo, Rômulo, Everton Ribeiro, Diego e Geuvânio. Jogadores desejados no Brasil e que acertaram com o rubro-negro.
A bola da vez é o volante Walace. As conversas foram interrompidas no final de semana, devido a péssima fase do Hamburgo-ALE. O clube foi derrotado na última rodada da Bundesliga e o treinador Markus Gisdol foi demitido. Contudo, as partes envolvidas na negociação acreditam que a mudança na comissão técnica não será empecilho.
O clube alemão não abre mão de recuperar boa parte dos 10 milhões de euros (aproximadamente R$ 39 milhões) que investiu no volante. O desejo do Hamburgo era negociar em definitivo o atleta, já o Flamengo acenava com um empréstimo de 18 meses, ideia rechaçada pela cúpula alemã. A tendência é que Rogério Braun, agente do jogador, consiga finalizar o negócio por empréstimo até final do ano.
O Mais Querido não se pronuncia abertamente sobre contratações ou possíveis negociações. No entanto, Rodrigo Caetano, diretor executivo do time carioca, ressaltou a dificuldade que o mercado impõe nesta janela de transferências. Na visão do dirigente, a janela de transações do meio do ano é mais generosa e mais intensa para movimentar o mercado.
– Na Europa os campeonatos estão no meio e aí fica mais difícil trazer jogadores ou acertar a saída deles de cada clube. Nossos maiores reforços recentes foram em junho, senão todos eles seriam quase impossíveis de contratar. Vamos seguir atentos ao mercado -, disse Rodrigo.
O Fla contratou apenas o atacante Marlos Moreno, por empréstimo de um ano. O jogador, que pertence ao Manchester City-ING e estava emprestado ao Girona-ESP, se enquadra no modelo aplicado pela gestão rubro-negra de se reforçar com peças de fora do Brasil e sem nenhum custo financeiro pela negociação, o clube vai arcar apenas com salários do atleta.
Por fim, caso não consiga acertar com mais reforços, como defensores e centroavante – visto como grande prioridade por Paulo César Carpegiani e diretoria -, a categoria de base é vista com bons olhos e pode ser ainda mais utilizada. Porém, mesmo com o intuito de mesclar as estrelas do elenco com os Garotos do Ninho, há um certo temor pelas dificuldades que podem vir a encontrar em jogar uma Copa Libertadores com o elenco recheado de jovens promessas.
o Flamengo tem grande receio de apostar demasiadamente em meninos da base, são poucos os que são vistos prontos para a competição internacional. Entre eles, apenas Lucas Paquetá, Felipe Vizeu e Vinícius Júnior são enxergados como realidade. Ronaldo, Lincoln e Léo Duarte terão mais chances, porém com mais calma para não haver precipitação e equívoco. Enquanto isso, os outros jovens irão sendo testados no Campeonato Carioca.
Por Coluna do Flamengo